terça-feira, 12 de outubro de 2021

Business, a arte de estar ocupado

 


“Business” em inglês significa negócio. É comum a pergunta “What business are you in?” para saber qual área ou profissão a pessoa trabalha.


Esses dias li um interessante desmembramento da palavra: business = busy + ness. Busy significa “ocupado”; “ness” é sufixo que tem a função de transformar adjetivos (qualidades) em substantivos abstratos (nomes que indicam qualidade, sentimento ou estado): - happiness (felicidade), - thankfulness (agradecimento), - attractiveness (atrativo).


Resolvi gerar minha própria tradução de business para “a arte de estar ocupado”. Afinal de contas, certamente já lhe perguntaram “o que você faz?”, pelo que você respondeu “sou …. (médico, engenheiro, artista, etc)”. Provavelmente você respondeu o que queriam saber, mas não literalmente à pergunta. Tenho certeza que você faz muito mais do que trabalhar.


Nossa sociedade desenvolveu a necessidade de estar busy através do trabalho, o que acho uma ótima possibilidade. Uma mente vazia tende a criar problemas imaginários, sofrer por antecipação, esperar coisas e eventos que nunca chegam, criar altas expectativas que levam a frustração, dentre outros males que podem até desencadear doenças mentais.


Confesso que já fui um Fire mais xiita, achando que a felicidade plena só vem com a libertação do trabalho (executando ele só quando desejado), porém hoje percebo que o trabalho pode ser uma motivação para muitos ou mesmo a realização de um desejo de se manter ocupado – e ainda ganhar dinheiro com essa ocupação.


Acabamos associando sempre o trabalho ao dinheiro, tanto que sempre adicionamos a palavra “voluntário” quando se trata de um trabalho não remunerado. Por vezes não nos damos conta que cuidar dos filhos, arrumar a casa, ajudar outras pessoas, auxiliar sua comunidade, viajar, etc, é um trabalho; dá pra ficar busy pra caramba só com uma das atividades mencionadas.


A busca pelo dinheiro, por si só, é um business. A galera FIRE consegue dar um passo à frente e, em algum momento, encerrar essa busca louca por grana, a famosa saída da corrida dos ratos. Creio que devamos pensar mais no nosso business após a IF.


Todos precisamos estar ocupados com alguma coisa, pareça ela importante ou não aos outros. Meus businesses no momento são viajar pelo Brasil, cuidar da minha família e finalizar meus trabalhos profissionais pendentes desde antes me decretar FIRE (confesso pegar uma coisinha ou outra nova, 99% com horizonte de término curto e bem definido). Acabo priorizando essas atividades nessa exata ordem, de forma que até peço desculpas aos leitores pela escassez de postagens e sumiço do Boteco Fire (que aliás os senhores Thiago Rezende e Gleison podem gravar sem minha presença sempre, deixe-se registrado). Para o ano que vem já tenho outros businesses em mente (um projeto voluntário na minha área de formação, um site de alcance nacional com foco em reciprocidade, focar mais em esportes, aumentar o nível de leitura, dentre outros).


E você, qual seu business?


Abraço

8 comentários:

  1. Quanto vc juntou pra ser fire?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheço FIRE com 1M e FIRE com 10M. Depende do seu estilo de vida, estrutura familiar e projeções futuras. Acho que com menos de 1M é bem difícil viver de renda pra sempre; o tempo que você precisará dedica aos investimentos pode ser mais estressante do que simplesmente seguir trabalhando até atingir uma cifra mais confortável.

      Excluir
  2. Olá Aposente Cedo,

    Trate de voltar para o boteco Fire, aguardo ansioso novos podcasts.

    Referente a sua pergunta, meu business hoje é coordenação de equipes de manutenção. Mas já estou estudando outras áreas para quando chegar o FIRE: Uma delas é de ser Desenvolvedor de aplicativos mobile. Desejo ser um STEATH FIRE, pretendo montar meu escritório em casa e falarei que trabalho "diariamente" para todos a minha volta.

    Também pretendo voltar as atividades voluntárias, trabalhei bastante tempo em ONGs como professor de matemática em cursos pre-vestibular comunitário e no "Tele-curso". Foram atividades muito gratificantes que desejo retornar.

    Abraços,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi VAR! Interessante seu business atual, já atuei com algo bem similar como trabalho secundário mandatória de uma atividade que eu fazia. Lidar com pessoas sempre é difícil.
      Quando virar desenvolvedor de apps, venha falar comigo que to cheio de ideias pra apps que nunca ponho em prática por falta de interesse no estudo técnico.
      Dar aula deve ser bem legal mesmo, seja voluntário ou não. Ver a evolução de um aluno por fruto do que você ensinou deve ser muito gratificante. Incentivo firmemente que volte a ser professor.
      Abraço

      Excluir
  3. Grande Aposente Cedo! O Boteco Fire está fazendo falta! Espero que voltem logo! Se for por falta de convidados podem me chamar que participo! Sobre o post, meu business é aproveitar ao máximo o tempo com a Sra VVI e contar os dias para voltar a viajar (tá difícil aguentar...). Há, quase esqueci...vendo tb 8-10h diárias para o trabalho...rsrs
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala VVI! Rapaz, é falta de prioridade mesmo, tempo todo mundo tem... juntou vida nômade minha com a do TR e o Gleison só querendo saber de rede e água de coco, deu nisso...rs
      Em breve a gente volta.
      Depois que parar de vender tuas horas de trabalho, vá logo viajar com a Sra. VVI, é bom demais!
      Abração

      Excluir
  4. boa
    o bom descanso depende do prévio cansaço

    abs!

    ResponderExcluir