quarta-feira, 28 de abril de 2021

The best of AC #2

A série de posts “The best of AC” expõe uma curadoria de frases, links, vídeos e estudos que guardei, a partir de 2018, para me recordar futuramente. Adoraria que você colocasse nos comentários abaixo uma dica de algo interessante, não necessariamente ligada a investimentos, para que juntos possamos aumentar nosso conhecimento ou divertimento.



“To think is easy. To act is hard. But the hardest thing in the world is to act in accordance with your thinking.”
― Johann Wolfgang von Goethe


Pensar é fácil e agir é difícil, porém a coisa mais difícil do mundo é agir de acordo com o pensado (tradução livre).


Engraçado que, quase 3 anos após eu ter salvo a citação acima por ter gostado muito, hoje ela não me toca muito. Acredito que agir conforme o pensado não é tão difícil para quem não é impulsivo e tende a trazer retornos melhores em relação a atitudes pouco pensadas. Talvez o autor se refira mais à paciência para delinear bem suas ações antes de tomá-las. Vai de encontro com a citação que hoje me agrada mais que é “Feito é melhor que perfeito”.


Vou fazer desse um post 2 em 1 e emendar com um link salvo há 3 anos e que gostei muito:

https://www.theschooloflife.com/thebookoflife/on-needing-to-find-something-to-worry-about/


O autor descreve como muitas vezes estamos em um ótimo estado mental, felizes, e voluntariamente procuramos algo para nos preocupar. É terminar um exercício físico satisfeito e em seguida entrar numa rede social vendo alguém mais forte/magro(a)/bonito(a) que você; é ter um gosto jantar em família e ligar a TV para saber o número atualizado de mortos pela pandemia.


Acho muito interessante notarmos esse comportamento quase involuntário para que possamos evitá-lo e perdurar os momentos de alegria e êxtase. O autor sugere que esse nocivo comportamento decorre de traumas antes da vida adulta (formação completa da mente) e que foram mal resolvidos ou colocados debaixo do tapete. Os porquês demandariam uma formação acadêmica que não tenho e não sei opinar, mas a mera consciência do ato de buscar algo para se preocupar já pode ser o suficiente para uma vida mais saudável.


Abraço

 

9 comentários:

  1. AC,

    Esse tipo de comparação que citou desanima mesmo. Por isso, penso que a única comparação saudável é cada um consigo mesmo, analisando e refletindo sobre o crescimento pessoal.

    Fiz um post sobre isso, se quiser ver: Quando a comparação é positiva - Simplicidade e Harmonia

    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. AC,

    Acho que o que acontece entre os 5 anos e os 15 anos de idade é o que praticamente decide uma vida inteira, infelizmente muitos de nós só descobrimos isso tarde demais.

    Abraços,
    Pi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PI, eu não sei se acho isso. Digo porque tenho irmãos que passaram pelo mesmo cenário que eu e todos nos tornamos um tanto diferentes entre si. A forma que você digere o passado, uma vez adulto e com a mente mais formada, influencia bastante (minha opinião).
      Abraço

      Excluir
  3. Muito melhor que série de netflix! Valeu AC!

    Gostei da reflexão e andamos bem nessa linha, sempre tentando entender a nós mesmos, nossos pensamentos, para então agir. E essa simples decisão do agir traz consigo uma bagagem enorme de histórias, vivências, traumas, felicidades...

    Façamos tudo da melhor forma possível de acordo com nossos termos e nosso universo pessoal, abraços brother.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso One, complementou bem o intuito do post. A vida inconsciente é a principal razão de fuga da corrida dos ratos, e não a motivação financeira (essa é só o meio para sair do piloto automático).
      Abração

      Excluir
    2. Show, e falando em piloto automático, há uma frase(aproveitando o post da série) que gosto muito;

      A única constante do universo é a mudança.

      Abraços e mudemos sempre.

      Excluir
  4. Encontrar os porquês desse tipo de comportamento é apenas o começo... O fato é que "viver" demasiadamente no "futuro ou passado" pode virar um hábito. E mudar um hábito é bem mais difícil, por conta do seu elemento de "fisiologia secundária" que meio que não "pede licença" para se repetir...
    Entender e reificar esses "padrões de repetição" é o objetivo da psicologia/terapia. Mas aí estamos falando mais de "presente" do que de "passado".
    O estoicismo e o existencialismo tecem reflexões interessantes sobre esse tema...

    Um abraço AC!

    ResponderExcluir
  5. Realmente estar no presente é um desafio. Pra mim é um aprendizado constante, mas já estou bem melhor agora que há 10 anos. Estar consciente dessa fuga (passado/futuro) é realmente um passo importante, mas como disse o IFólogo, para mudar o hábito é preciso entendê-lo. Enfim, esforço e paciência são necessários pra quase tudo nessa vida, rs. Abraço!

    ResponderExcluir