quinta-feira, 25 de março de 2021

Superinvestidor vs Trabalhador assíduo: quem vira IF primeiro?


 

Antes de mais nada, o 3º episódio do Boteco Fire já está no ar, disponível nas mais variadas plataformas de música e podcast. Aposente Cedo fala de seu investimento no exterior via offshore; Gleison (Sapien Livre) fala porque NÃO investe no exterior; e TR explica suas teses para investir e nichos do mercado internacional.

Nos dois primeiros episódios do podcast eu comentei como sempre fui um investidor medíocre e direcionei meu tempo para geração de renda ativa. Com ajuda do TR (https://papotr.com/), hoje trago a seguinte simulação:


Dois sujeitos recebem 3k/mês e conseguem poupar R$ 500/mês, ou seja, tem custo de vida mensal de R$ 2.500,00. Um resolveu "estudar investimento" e consegue gerar uma rentabilidade maior (10% ao ano); outro arrumou um trampo secundário, gerando renda ativa de mais 500 conto e usou isso como aporte (aportando R$ 1.000,00/mês). Cenário bem factível pra realidade brasileira, nem que seja vendendo água no sinal todo sábado (“pega a visão”). Um dia a mais de trabalho na semana é capaz de gerar R$ 500,00 a mais por mês, disso não tenho dúvidas.

O cara que "estudou investimento" (a maioria das pessoas) não consegue um retorno % excepcionalmente melhor que o que estuda menos, mas fui bondoso em lhe conferir 10% na simulação, frente aos 6% do investidor mediano.

O sujeito que gerou mais renda ativa, que clicou num botão e pegou um Tesouro IPCA+ e usou o tempo pra gerar uma renda ativa de R$ 500 a mais.

Não tem inflação na conta, mas creio ser indiferente pra uma meta comparação, já que a inflação seria igual pros dois.

----

TR: “o fator tempo deve ser posto tb, talvez o cara que estudou mais investimento e conseguiu melhor rentabilidade fez isso por, sei lá, 2 anos e ficou na dele. Já o cara que tem que fazer um bico de 500 reais a mais tem que "trabalhar" e gastar tempo pra ter esses 500 a mais e manter isso nos próximos 30 anos. Acho que a métrica mais factível na minha visão é quanto a mais você consegue ganhar gastando o menor tempo possível.”

AC: Aí é o velho papo da gratificação adiada. Você sacrificaria 1 dia mais de trabalho toda semana, dos 20 aos 50 anos, pra ser IF dos 50 até a morte? Sabendo que 1 dia de folga a mais nunca te tornaria IF? Isso eu não estou nem contando as horas de estudo do sujeito investidor na simulação. Pra facilitar sua escolha de Sofia:

1 dia a mais de trabalho na semana = 52 dias a mais por ano x 30 anos = 1.564 dias a mais = 4 anos e 2 meses a mais de trabalho (arredondando). Se você morrer antes dos 50 anos, se ferrou (pelo menos seus herdeiros aproveitarão!).

A simulação mês a mês ficou muito grande, então seguem os marcos de 10, 20 e 30 anos, partindo de zero patrimônio:


Cenário 1

Cenário 2

Aporte: R$ 1.000,00
Aporte: R$ 500,00

Juros: 6% a.a.
Juros: 10% a.a.
Meses Aporte mês
Acumulado
Aporte mês
Acumulado

120 R$ 1.000,00 R$ 163.257,02
R$ 500,00 R$ 81.635,18

240 R$ 1.000,00 R$ 455.635,00
R$ 500,00 R$ 227.829,45

360 R$ 1.000,00 R$ 979.242,53
R$ 500,00 R$ 489.642,66


----

Lembrando: ambos vivem com 2.500/mês. Pela regra dos 3%, pra serem IF, precisam de 1 milhão.

O cara do trabalho extra vira IF em 30 anos (360 meses) de serviço; o investidor só atingirá a marca de 1M (precisamente R$ 1.000.569,03) após 488 meses (40,6 anos), ou seja, mais de 10 anos após o trabalhador. No longo  prazo, portanto, o superinvestidor terá trabalho 6 anos a mais que o trabalhador assíduo. Nos mesmos 488 meses, o trabalhador teria R$ 2.001.058,38, o dobro do investidor.

Ressalto que o aporte a mais não necessariamente precisa vir de uma segunda fonte de renda, já que pode vir também de uma melhor qualificação em sua própria profissão (certificações, diplomas, etc) , uma promoção no emprego e afins. Tudo dependerá de como você priorizará seu tempo: estudando investimentos por longas horas ou buscando se aprimorar profissionalmente ou fazendo um trabalho paralelo.


Por favor, NÃO estou dizendo que você não deva estudar investimentos, só estou provando matematicamente que aportes maiores (que demandam maior taxa de poupança e maior renda ativa) são muito mais importantes que uma melhor rentabilidade – e eu sou prova viva disso.


Há muitas formas de gerar R$ 500,00 a mais no mês (em troca do seu tempo, claro), mas esse assunto fica pra um próximo post.


Conte-me o que você vai fazer após esse artigo: ler o próximo livro do Primo Rico ou procurar aumentar sua renda ativa? Vai “perder” 4 anos a mais de trabalho pra ser FIRE ou abrir o Fundamentus pra analisar o histórico de payout da Wege?


Abraço

19 comentários:

  1. O cara literalmente copiou e colou a minha mensagem, nem deu uma maquiada kkkkkkkkkkk

    Legal eu meio que fui na contramão do que você disse, pois recebi uma oferta de emprego boa (aumento de renda) e não aceitei, acho que eu vou ali ler o livro do Primo Rico hahahahah

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Volte ao básico e analise sua própria planilha...rs
      Abraço

      Excluir
  2. Rapaz, o poder dos aportes fica muito evidente numa comparação dessas! Bendita seja a galera que consegue fazer aqueles aportes monstruosos..hehe

    Abraço!
    https://engenheirotardio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente, ET. Quem ganha aqueles bônus bizarros de PL, tem 14ª salário, etc, consegue avançar muito na jornada IF se tiver cabeça boa.
      Abraço

      Excluir
  3. O aporte é, sem dúvida, a ferramenta mais poderosa para "aumentar patrimônio"! Bem legal a comparação AC!

    Só lembrando que o "trabalhador" só atingiu a IF antes que o "investidor" porque aumentou sua taxa de poupança de 16% para 28% (não porque aumentou o seu aporte de R$ 500 para R$ 1.000). Pode parecer a mesma coisa, mas quando olhamos pela lente da IF não é. Se ele tivesse ganhando R$ 10.000 e aportando os mesmos R$ 1.000, por exemplo, estaria "tão rico quanto" no final do mesmo período, mas não teria atingido a IF no mesmo período, pois seu custo de vida de R$ 9.000 implicaria na necessidade de um patrimônio maior (R$ 2.700.000).

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Ifólogo! Tem toda a conjuntura de custo de vida + taxa de poupança + aporte (porque não adianta poupar e torrar com supérfluo).
      Abraço

      Excluir
  4. Esse rapaz virou um provocador....rsrs

    Sabe que eu nunca fui um cara bom de ganhar dinheiro, pelo menos achava isso. Tentei focar em investir melhor. É sempre uma decisão difícil abrir mão do tempo que já é naturalmente escasso para a quantidade de tempo disponível.
    O bom disso tudo é que um podemos fazer os dois, aportar mais e aprender investir melhor.Ótimo post

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Sapien! Sem dúvida uma dose de cada abordagem é importante, só que tá mais que provado aí em cima que arregaçar as mangas vai trazer mais fruto que ficar estudando números pra investir.
      Abraço

      Excluir
  5. Sinceramente e meio discrepante oferecer uma aumento 100% do aporte, contra uma diferença um aumento de menor que 40% na rentabilidade.
    É igual a dizer que o marketing time não funciona, pois simulam ele a juros zero como se a grana estivesse na mão do investidor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá IS! De 6% pra 10% há um aumento de 66,66% na rentabilidade.
      Eu procurei simular o cenário mais realista possível em valores nominais. É plenamente possível ganhar R$ 500,00 por mês de muitas formas, seja que isso signifique 10 ou 100% a mais do seu salário.
      No caso, pegando a renda de um trabalhador de classe média baixa, significou uma diferença de 100% entre os aportes, mas note que o "superinvestidor" poderia ter renda de 10k/mês e, mesmo assim, aportar só R$ 500,00.
      Ganhar R$ 500 a mais por mês é bem menos difícil que fazer 10% ao ano líquido atualmente.

      Tente refletir em um cenário factível, não em mera matemática.

      Abraço

      Excluir
  6. Irmão, você falou tudo nesse post! Eu realmente tive um insight essa semana sobre isso.

    A gente fica consumindo conteúdo desses teóricos, com o primo rico da vida e percebo que isso no final não adianta porra nenhuma na sua vida. Esse tipo de conteúdo tem que ser levado mais como Hobbie do que como uma salvação para sua vida financeira.

    Oque enriquece a pessoa é realmente o TRABALHO + RELAÇÃO COM PESSOAS! Quanto mais você trabalhar, e quanto mais pessoas você conhecer/se relacionar, mais dinheiro irá ganhar.

    Saber sobre investimentos é totalmente secundário. Por isso nossos pais nunca estudaram sobre investimentos e muitos conseguiram prosperar na vida. É só não fazer cagada.

    E afinal, quem disse que só dinheiro traz felicidade? Trabalho+ Relacionamentos, is the secret na minha opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Peão! Não tem fórmula mágica com investimento. Pra maioria de nós é o trabalho adicional, o empreendedorismo, a hora extra e a taxa de poupança que são os diferenciais para que metade ou ao menos o terço final da vida sejam confortáveis. É só não fazer cagada ou tomar risco demais.

      Abraço

      Excluir
  7. Quando descobri esse negócio de FIRE eu me senti um trouxa. Pensava que se tivesse investido melhor podia ter alcançado um patrimonio maior e mais rápido. Com o tempo eu percebi que o motor principal é mesmo o aporte. Se tem como vc ganhar mais, vc tem que ir atrás. Achei seu exemplo razoável, pra mim ele prova a teoria. Parabéns pelo post !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Vagabundo! A conclusão que chego é que pra ser FIRE tem que ter a maior taxa de poupança POSSÍVEL OU aumentar sua renda ativa. Como há limite para enxugar despesa e não há para gerar renda ativa,não creio que o foco deva estar na segunda opção. Em prioridades: gerar mais renda ativa; aportar o máximo que der; economizar (taxa de poupança); estudar investimentos.
      Abraço

      Excluir
  8. Apostando pesado em IPCA+ aqui. Comprei meio milhãozinho naquele diz que bateu IPCA+4.77%
    Já que o resto só anda de ré, garantir os 4% líquido real é minha meta e no futuro será difícil conseguir com o país neste caos e com Lula de volta querendo imprimir dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa, Anon! Aposto que fazendo o simples e seguro você vai bater a rentabilidade de muito guru da internet.
      Abraço

      Excluir
  9. Discussão muito boa.
    Sempre acreditei que os aportes (valor e constância) são mais importantes que a rentabilidade. Principalmente no início da caminhada dos investimentos, onde é bem discrepante os valores, normalmente o valor do aporte ultrapassa e muito a rentabilidade dos investimentos, depois a curva vira.
    Aproveitando o comentário para tirar uma dúvida Aposente Cedo. Aqui em cada gostamos muito da ideia do nomadismo e estamos felizes que vocês conseguiram seguir em frente neste estilo de vida, mas como fazer quando se tem criança na idade escolar, já pensaram nisso? Acreditamos que só iremos conseguir partir para este estilo de vida quando o pequeno daqui de cada seguir seu caminho.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá DAF! Amigo, acho que nem é mais discutível esse assunto, é a realidade e ponto final. Trabalhe mais, aumente a renda e a taxa de poupança e seja FIRE mais rapidamente. Na minha simulação acima, repare que a curva nunca virou.

      Sobre nomadismo com criança em idade escolar: atualmente é totalmente viável se você o fizer em um país que permita homeschooling, o que não é o caso do Brasil. O EAD já é muito forte no ensino superior e está mostrando as caras em ensino técnico. Fico na torcida para que essa pandemia reflita numa flexibilização/aprovação de homeschooling em todos os níveis escolares.
      Não creio que hoje seja possível fazer homeschooling legalmente, apesar de encontrar na internet várias famílias que o fazem. Quando eu digo "creio", digo com bastante fundamento, inclusive com consulta jurídica sobre o tema - há uns leigos aí na internet que, em busca de viés de confirmação, distorcem totalmente uma legislação bastante clara sobre o assunto.
      Resumindo: vida nômade em idade escolar só é possível no exterior.

      Abraço

      Excluir
  10. Bem legal o post! É o que eu vi acontecer na minha trajetória: no começo eu tinha uma esperança de "vou ser a melhor investidora daa vida e vou dizer adeus para esse trabalho que me sufoca", no fim, hoje olho e falo: caramba, o trabalho e minha renda mensal é responsável por quase 70% do meu patrimônio, como é que teria sido isso se eu não tivesse focado e muito no trabalho?
    Não tem milagre, a verdade é que o trabalho te deixará rico, os investimentos acelerarão esse processo (e bastante, porque vejam que 1/3 do meu patrimônio é investimento). Mas os aportes são fundamentais para levar todo o bolo de dinheiro para outro patamar.
    Abs,
    IFM

    ResponderExcluir