domingo, 4 de abril de 2021

Vivendo no raso

 


Sentado em frente ao médico, você descreve uma incômoda dor física que vem sofrendo há algumas semanas. O médico olha pra você e diz: “só um minuto, vou responder à mensagem de outro paciente”. Após manusear o celular, o médico te avalia por dois minutos e pede: “por favor, aguarde alguns minutos que irei falar com o representante farmacêutico que me aguarda na recepção”. Furioso, você termina a consulta prometendo nunca mais voltar a esse médico, já que claramente ele não prestou a devida atenção a seu problema.

---

Em um recomendado curso de especialização profissional, no qual você pagou milhares de reais para aprender, o professor com frequência interrompe as aulas para responder a mensagens de WhatsApp. Quando perguntado para tirar alguma dúvida em sala de aula, o professor pede que a dúvida seja dirigida por e-mail ou no grupo de WhatsApp da turma. Você não pode deixar de notar que o professor dirige 90% de sua atenção à atraente aluna sentada à segunda fileira da sala.

Insatisfeito, você percebe que aquele aprendizado não está tão distante de um estudo online, possivelmente gratuito.

---

Vivemos na era da informação. Abra agora seu WhatsApp, Telegram, YouTube, Twitter, Feedly ou outro app de comunicação. Possivelmente há dezenas de mensagens não lidas, vídeos não assistidos, posts não avaliados. Sempre haverá. É humanamente impossível, mesmo sendo aposentado, consumir todo o conteúdo que a Internet produz.


Até a geração dos anos 90, era extremamente comum ler um livro mais de uma vez, ouvir dezenas de vezes a mesma música ou disco, assistir ao mesmo filme (até mesmo no cinema). A produção do conteúdo era restrita e o público ávido por entretenimento. A Internet e os avanços tecnológicos possibilitaram que qualquer pessoa gravasse vídeos, músicas ou escrevesse textos e os disponibilizassem na rede.


Inegáveis são as vantagens do farto conteúdo disponível: gratuidade, democracia, variedade e, por vezes, qualidade. Há MUITO conteúdo gratuito e excelente na internet. O seu dia, todavia, só tem 24h e é preciso fazer escolhas. Até o início dos anos 2000, não precisávamos fazer tantas escolhas, diante da limitação do conteúdo disponível – acabávamos inevitavelmente vivendo a vida offline em algum momento.


Atualmente ficamos famintos por aprender, nos aprimorar, assistirmos ao próximo vídeo do sábio guru que nos brinda com gotas de sabedoria e reflexão sobre a vida, lermos sobre a estratégia de investimento do blogueiro/youtuber milionário. Temos a sensação de que a cada vídeo assistido, a cada post lido, nos tornamos seres humanos melhores e mais aptos, o que nem sempre é verdade.


Consumir conteúdo online é excelente, o problema reside na INTENSIDADE desse consumo. Minha experiência própria: passei semanas escutando no excelente podcast “Resumo Cast” resumos debatidos de livros sobre autoajuda e empreendedorismo. Às vezes escutava 3 ou 4 resumos por dia, na velocidade 2x e, em poucas horas, parecia que tinha absorvido a nata de 4 best-sellers. Ledo engano. Até há pouco, assistia diversos vídeos no YouTube por dia e lia vários posts em blogs da internet (não sou fã de ler notícias da atualidade, mas poderia se aplicar).


O fato é que nosso conhecimento está cada vez mais RASO. Pare e reflita: é provável que você se lembre da mensagem de algum livro que leu há 15 ou 20 anos. A razão: você se aprofundou naquele livro; certamente o leu sem interrupções frequentes de um smartphone e, com certeza, não terminou dito livro e imediatamente começou a ler outro. Você aplicadamente concentrou esforços na leitura e, ao terminar, refletiu sobre ela. Quando foi a última vez que você assistiu a um interessante vídeo no YouTube, desligou seu celular e refletiu por alguns minutos sobre o mesmo? Pois é. Eu sei que você em seguida clicou noutro vídeo e, minutos após, esqueceu o que assistiu no tal vídeo interessante.


Por que você exige que seu médico e seu professor dediquem atenção integral a você (leu direito o início desse post?!) se você não faz consigo?


Tim Ferriss, no livro Trabalhe 4 Horas por Semana, defende ferozmente que paremos de perder tempo com notícias irrelevantes e entremos em uma dieta de informação. Com esse simples passo, teríamos tempo livre para realizar todas nossas metas e ainda curtir a vida de verdade. Aprendi isso em 2007 e orgulhosamente sei que, desde então, perdi poucas horas de minha vida lendo notícias efêmeras (inclusive sobre a pandemia corrente).


Agora reflito que necessito de uma “Dieta de Informação 2.0”. Acabei de me desinscrever de vários canais do Youtube que notava ser minoria o conteúdo que me atraía. Pretendo restringir a leitura de blogs e visualização de vídeos conforme a profundidade da reflexão que me apresentarem. Há pouco assisti a um vídeo que me instigou a escrever o presente artigo. Ele merecia que eu interrompesse a atividade de navegar na web e refletisse a respeito. Talvez, se eu seguisse navegando, três vídeos depois o conteúdo já teria se esvaído de minha mente.


Não sou mestre em nada e tampouco me julgo apto para lecionar. Deixo aqui somente uma reflexão para que, se você gostou do que ouviu/assistiu/leu, APROFUNDE e REFLITA sobre o conteúdo antes de iniciar nova atividade.


Em 528 A.C. (Antes de Cristo, não “Aposente Cedo”), após 49 dias de meditação e com a idade de 35 anos, Sidarta Gautama alcançou a iluminação espiritual. Será que teríamos um Buda se já existisse a Internet?


Abraço

quinta-feira, 25 de março de 2021

Superinvestidor vs Trabalhador assíduo: quem vira IF primeiro?


 

Antes de mais nada, o 3º episódio do Boteco Fire já está no ar, disponível nas mais variadas plataformas de música e podcast. Aposente Cedo fala de seu investimento no exterior via offshore; Gleison (Sapien Livre) fala porque NÃO investe no exterior; e TR explica suas teses para investir e nichos do mercado internacional.

Nos dois primeiros episódios do podcast eu comentei como sempre fui um investidor medíocre e direcionei meu tempo para geração de renda ativa. Com ajuda do TR (https://papotr.com/), hoje trago a seguinte simulação:


Dois sujeitos recebem 3k/mês e conseguem poupar R$ 500/mês, ou seja, tem custo de vida mensal de R$ 2.500,00. Um resolveu "estudar investimento" e consegue gerar uma rentabilidade maior (10% ao ano); outro arrumou um trampo secundário, gerando renda ativa de mais 500 conto e usou isso como aporte (aportando R$ 1.000,00/mês). Cenário bem factível pra realidade brasileira, nem que seja vendendo água no sinal todo sábado (“pega a visão”). Um dia a mais de trabalho na semana é capaz de gerar R$ 500,00 a mais por mês, disso não tenho dúvidas.

O cara que "estudou investimento" (a maioria das pessoas) não consegue um retorno % excepcionalmente melhor que o que estuda menos, mas fui bondoso em lhe conferir 10% na simulação, frente aos 6% do investidor mediano.

O sujeito que gerou mais renda ativa, que clicou num botão e pegou um Tesouro IPCA+ e usou o tempo pra gerar uma renda ativa de R$ 500 a mais.

Não tem inflação na conta, mas creio ser indiferente pra uma meta comparação, já que a inflação seria igual pros dois.

----

TR: “o fator tempo deve ser posto tb, talvez o cara que estudou mais investimento e conseguiu melhor rentabilidade fez isso por, sei lá, 2 anos e ficou na dele. Já o cara que tem que fazer um bico de 500 reais a mais tem que "trabalhar" e gastar tempo pra ter esses 500 a mais e manter isso nos próximos 30 anos. Acho que a métrica mais factível na minha visão é quanto a mais você consegue ganhar gastando o menor tempo possível.”

AC: Aí é o velho papo da gratificação adiada. Você sacrificaria 1 dia mais de trabalho toda semana, dos 20 aos 50 anos, pra ser IF dos 50 até a morte? Sabendo que 1 dia de folga a mais nunca te tornaria IF? Isso eu não estou nem contando as horas de estudo do sujeito investidor na simulação. Pra facilitar sua escolha de Sofia:

1 dia a mais de trabalho na semana = 52 dias a mais por ano x 30 anos = 1.564 dias a mais = 4 anos e 2 meses a mais de trabalho (arredondando). Se você morrer antes dos 50 anos, se ferrou (pelo menos seus herdeiros aproveitarão!).

A simulação mês a mês ficou muito grande, então seguem os marcos de 10, 20 e 30 anos, partindo de zero patrimônio:


Cenário 1

Cenário 2

Aporte: R$ 1.000,00
Aporte: R$ 500,00

Juros: 6% a.a.
Juros: 10% a.a.
Meses Aporte mês
Acumulado
Aporte mês
Acumulado

120 R$ 1.000,00 R$ 163.257,02
R$ 500,00 R$ 81.635,18

240 R$ 1.000,00 R$ 455.635,00
R$ 500,00 R$ 227.829,45

360 R$ 1.000,00 R$ 979.242,53
R$ 500,00 R$ 489.642,66


----

Lembrando: ambos vivem com 2.500/mês. Pela regra dos 3%, pra serem IF, precisam de 1 milhão.

O cara do trabalho extra vira IF em 30 anos (360 meses) de serviço; o investidor só atingirá a marca de 1M (precisamente R$ 1.000.569,03) após 488 meses (40,6 anos), ou seja, mais de 10 anos após o trabalhador. No longo  prazo, portanto, o superinvestidor terá trabalho 6 anos a mais que o trabalhador assíduo. Nos mesmos 488 meses, o trabalhador teria R$ 2.001.058,38, o dobro do investidor.

Ressalto que o aporte a mais não necessariamente precisa vir de uma segunda fonte de renda, já que pode vir também de uma melhor qualificação em sua própria profissão (certificações, diplomas, etc) , uma promoção no emprego e afins. Tudo dependerá de como você priorizará seu tempo: estudando investimentos por longas horas ou buscando se aprimorar profissionalmente ou fazendo um trabalho paralelo.


Por favor, NÃO estou dizendo que você não deva estudar investimentos, só estou provando matematicamente que aportes maiores (que demandam maior taxa de poupança e maior renda ativa) são muito mais importantes que uma melhor rentabilidade – e eu sou prova viva disso.


Há muitas formas de gerar R$ 500,00 a mais no mês (em troca do seu tempo, claro), mas esse assunto fica pra um próximo post.


Conte-me o que você vai fazer após esse artigo: ler o próximo livro do Primo Rico ou procurar aumentar sua renda ativa? Vai “perder” 4 anos a mais de trabalho pra ser FIRE ou abrir o Fundamentus pra analisar o histórico de payout da Wege?


Abraço

sexta-feira, 12 de março de 2021

Podcast e encontro com Sr. IF 365


 

Salve, caro(a) leitor(a)!


Informo que eu e o Thiago Rezende (Papo TR, ex-Escola Para Investidores) lançamos o podcast Boteco Fire (Spotify, Deezer, Google Podcasts, Apple podcasts, etc) onde, numa mesa de bar virtual, discutimos sobre investimentos, filosofia FIRE e muito mais.


O primeiro episódio já está no ar e, em breve, entrará o gravado com o Gleison, do Sapien Livre!


Se quiser participar, tenha um blog ou não, está desde já convidado, bastando enviar e-mail para botecofire@gmail.com

----

Aproveito o post para informar que, após um chopp com o Sapien Livre e o Thiago Rezende, rolou mais um encontro pessoal com o Sr. IF 365 e a esposa dele! Sim, ele existe e é gente fina!


Agradeço o Sr. IF por ter ido a meu encontro e pelo papo bacana que tivemos com nossas famílias. É muito legal como a internet consegue unir pessoas com histórias tão diferentes graças a interesses comuns. Quem quiser bater um papo, só fazer contato por e-mail (pode ser até pelo e-mail do boteco) e a gente se fala; muito em breve estarei pela região Sul do Brasil.

---

Por hoje são só esses recados que eu tinha, a vida FIRE tá me tomando tempo!


Abraço

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Falta de ambição

Era setembro/2020 e eu confidenciava a um amigo próximo que iniciaria minha aposentadoria precoce muito em breve. Ele, formado na mesma área que eu, questionava: “por que você vai parar no auge financeiro?”


De fato, nos últimos 10 anos as receitas profissionais de minha principal atividade cresceram. O número de clientes e demandas era cada vez maior. Meu amigo sabia disso tudo e ficou intrigado com minha decisão. Falei em valores nominais de patrimônio e de expectativa de renda pós RE, quando ele levantou a seguinte questão: “Nosso amigo Fulano acabou de voltar de uma viagem das Ilhas Maldivas, gastou 40k em 1 semana. Com essa grana aí que você pretende viver, nunca poderá ir às Maldivas!”. Era verdade o que ele dizia. Preciso eu, todavia, ir às Maldivas para ser feliz?


Todos nós temos as próprias ambições e, não raro, uma delas é “conhecer o mundo”. A vida é uma só e não há tempo hábil para conhecer todas as cidades do mundo, ler todos os livros, ouvir todas as músicas, namorar todas as pessoas que passarem por sua vida. É preciso selecionar e ser feliz com suas escolhas, mesmo as erradas, já que estas te ensinam quais são as certas.


Provavelmente eu nunca irei às Maldivas, terei uma Pajero 0km, uma lancha, uma casa de praia pé na areia num destino badalado ou um harém de playmates. Valeria a pena trocar algumas décadas de trabalho por isso? Na concepção do meu amigo, sim, seria válido trabalhar full time a vida toda para aproveitar 20-30 dias de férias por anos e alguns finais de semana com esse estilo de vida (caso alcançado, ele bem sabe que ainda haveria incerteza de atingir esse patamar!).


Da mesma forma que ele deixou nítido que, naquele momento, me achava sem ambição e não compreendia o porquê de eu tirar o pé do acelerador, eu também não compreendia a razão de ele optar por chegar a um nível financeiro (de gastos, não necessariamente de acúmulo patrimonial) em troca de muitos mais anos de trabalho. Espero que um dia ele descubra que tem o suficiente.


Talvez eu nunca vá às Maldivas, mas, amigo, Tibau do Sul é um barato!


Abraço

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

#2 – Nômade – Petrópolis/RJ

Morei 3 anos em Petrópolis/RJ. Conhecida por ser o destino de férias de D. Pedro I e II, Princesa Isabel e família real, tem um clima bem mais agradável que o Rio, mesmo estando a 65 km de distância apenas. Grande em extensão, a paisagem varia desde um centro bem comercial, com residências misturadas, a sítios e grandes condomínios em bairros mais afastados (Itaipava, Secretário, Pedro do Rio, dentre outros).


É um bom lugar para turistar (inclusive de bate-volta para quem está no Rio) e também um ótimo ponto de partida para um carioca que deseja implementar o home office, mas tem receio de ficar longe da capital, seja por causa do trabalho ou de lazer. Ao menos foi o que fiz (adotei o home office como regra em 2016 e mudei pra Petrópolis no ano seguinte).


-Lazer: para um turista, há coisas a fazer durante 15 dias, no muito. Um residente rapidamente fica entediado.

-Cultura: história do Brasil entre monarquia e república e nada mais (o que já é bem interessante, diga-se de passagem).

-Moraria novamente: provavelmente não. Serviços deficitários para uma cidade de porte médio-grande (~300k habitantes), problemas de trânsito e enchentes habituais. Povo menos simpático que no Rio capital. 3 anos foram o bastante.

-Voltaria: sim, é um lugar agradável e o clima serrano é excelente para variar o nível do mar.

- Custo de vida: muito próximo ao do Rio de Janeiro, à exceção de moradia, levemente mais barata.

 

Abraço



sábado, 20 de fevereiro de 2021

#Nômade - Rio de Janeiro/RJ

Conforme postei aqui, estou indefinidamente sem residência fixa. Sem delongas, vamos à minha opinião sobre a cidade do título:


RIO DE JANEIRO/RJ


Morei a maior parte da vida no Rio, um local de muitas realidades. Classe média, frequentei desde o baile funk na favela, com gente dando rito pro alto por diversão, quanto noitada de playboy que custava R$ 30 uma long neck de skol (claro que eu bebia gummy na porta antes de entrar na boate). Sim, tem violência, todo mundo que conheço do Rio já foi roubado ou furtado uma ou mais vezes, tem mendigo na rua, tem sujeira, tem tudo que uma grane capital tem, mas também tem uma beleza incomparável, além de pessoas amigáveis no geral (questão que vem se mostrando bastante relevante nesta minha vida nômade).


-Lazer: bastante, especialmente se você tiver boa condição financeira e/ou residir na Zona Sul ou Barra.

-Cultura: bastante, muitos pontos interessantes para conhecer e visitar, inclusive muitos pouco explorados pelos próprios cariocas.

-Moraria novamente: provavelmente não. Com muitos amigos e alguma família ainda lá, é sempre tentador. O custo de vida familiar (boa escola, bom plano de saúde, bom local para morar) é bastante elevado, o que poria em xeque o planejamento FIRE ou me daria preocupações desnecessárias.

-Voltaria: sim, com certeza. Sempre vale ir ao Rio pra turistar.


- Custo de vida: pelo ótimo site Numbeo, um custo de vida de R$ 10.000,00 no Rio de Janeiro seria equivalente a um custo de R$ 7.943,73 em Natal/RN ou R$ 9.342,39 em Florianópolis/SC. Minha experiência carioca diz que o abismo financeira é bem maior no Rio, já que há uma diferença muito grande de valor entre bons e maus locais para morar, comer, educar, etc, ao passo que em outras capitais (exceto São Paulo e Brasília, minha impressão) um nível intermediário já traz uma certa qualidade de vida.


Obs: o Rio de Janeiro é gigantesco e está bem longe de ser só uma bela praia da novela ou só as favelas do noticiário policial. Infelizmente só quem mora em uns 12 de um total de 163 bairros consegue ter uma vida absolutamente agradável. Nem pense em morar no Rio se não estiver disposto a ter um custo de vida mais elevado.


Abraço



sábado, 6 de fevereiro de 2021

Respeitar as diferenças

Respeitar as diferenças é difícil. Todo mundo sabe que há muitas pessoas que pensam diferente e, infelizmente, o mundo atual converge para um cenário em que virou normal achar que quem pensa diferente está errado.


A comunidade FIRE pensa em aposentar cedo para sair da corrida dos ratos, do piloto automático, buscando passar mais tempo da nossa única (?) vida com nossa família, amigos e/ou fazendo atividades que amamos. Raramente é feita a reflexão que o sujeito pode amar o trabalho em si, independentemente do retorno financeiro.


Há aqueles que, para atingirem o objetivo mais rapidamente, utilizam de expedientes controversos: educação e saúde públicas (quando se pode pagar pelas privadas), frugalidade extrema, ausência de um veículo próprio quando este seria bastante conveniente, etc. Pessoalmente, discordo dessas formas de economia, porém, as RESPEITO.


O início da jornada nômade já serviu para conhecer algumas pessoas diferentes do meu habitat natural, dentre elas, um gringo residente no Brasil há pouco mais de 1 ano. Com doutorado em matemática em uma das instituições mais prestigiadas do mundo, veio ao Brasil para exercer cargo gerencial numa instituição financeira. Corremos juntos pela manhã 3x na semana e tomamos cerveja com nossas esposas e crianças aos finais de semana, criando certa intimidade. É absolutamente fascinante a visão de alguém tão diferente. Chileno (lembrando que não faz tanto tempo o Chile era a Suíça da América Latina), residente na França por mais de uma década antes de vir ao Brasil, aqui, numa pequena cidade do interior de SP, ele afirma ser o melhor lugar que já morou – e não tem nada a ver com samba, mulheres, praia ou qualquer estereótipo brasileiro criado por estrangeiros. Narrou-me inúmeros pontos negativos do sistema econômico, político, social e laboral da França, por exemplo.


Com esse mesmo novo amigo comentei sobre FIRE, até por ele ser da área financeira e aparentemente um ás da matemática, falando que eu tenho um blog sobre isso. Ele respondeu: “Ah, eu já vi esse pessoal FIRE, muito doida essa ideia de parar de trabalhar cedo e viver de renda, acho muito engraçado você querer fazer isso.” - Obs: eu prefiro relatar que trabalho a tempo parcial e flexível, o que acontece de fato, do que falar que estou “aposentado” e fazendo bicos na minha antiga profissão.


Por tudo que já conversei com esse cara, notei que ele é um pequeno gênio, no entanto, o tema FIRE não tocou o coração dele, tampouco tenho intenção de evangelizar as pessoas a se tornarem entusiastas do assunto.


Provavelmente o leitor acha que é maluco alguém que morava com um bom emprego na Europa preferir morar no interior do Brasil, assim como eu acho o fato de um brasileiro com capacidade financeira não ter plano de saúde ou escola particular para os filhos (salvo raras exceções de escola pública de qualidade, como colégios de aplicação parte de Universidades, algumas escolas militares, dentre outras).


O ponto aqui é que temos de respeitar esses pensamentos divergentes e, para tanto, deixarmos de tentar convencer nosso interlocutor com nossos argumentos (leia-se: ponto de vista) como se errados estivessem.


Sem dúvidas nossas conclusões são tomadas após reflexões e estudos, sendo muita pretensão achar que as do próximo assim não se deram, portanto, caso não concorde com determinada opinião alheia, promova o debate saudável, sem a soberba de pensar que quem pensa diferente de você é simplesmente um idiota.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Encontro Fire, chute no saco e vida nômade


 

Quem diria que o início da vida Fire seria corrida… Durante as festas de fim de ano, que passamos com meus pais e pais da Sra. AC, até imaginava, mas na sequência da jornada nômade, não imaginava as surpresas reservadas.


Nas primeiras semanas tudo correu conforme esperado: umas horinhas de trabalho tranquilas, muitos passeios pela cidade do momento, cozinhar com calma, aproveitar o momento. Um grande momento foi o encontro FIRE que tive com o Sapien Livre e o TR do Escola Para Investidores.


Já em contato por e-mail e, depois, WhatsApp com ambos, falei que estaria próximo da cidade deles durante um tempo e que seria legal um café. Não é que eles vieram? Turistamos um pouco de carro, almoçamos um churrasco com um chopp do bom, andamos de bicicleta por vários pontos turísticos, tomamos chuva, rimos, tomamos um café já aqui “em casa” e, claro, falamos sobre investimentos, filosofia de vida e muitas outras coisas. Pareceu um dia de férias com amigos de infância e agradeço o poder que a internet tem de conectar pessoas.


Tudo seguia num ritmo bom quando meu agora ex-sócio, da vaquinha mais gorda, ligou dizendo que estava pulando fora do barco, iria se mudar pra 1.000km de distância e já veio com um distrato social na mão. Ele precisava fazer isso logo quando eu saí de perto da cidade onde prestamos nossos serviços? Evidente que não. Adianta eu ficar puto com ele? Também não. É um cara que eu gosto, se tornou meu amigo, e está fazendo o que é melhor pra vida pessoal dele. Melhor eu focar em reestruturar o que for possível pra manter o leite da vaca, mas minha vida até então tranquila se tornou intensa no trabalho para não queimar uma imagem profissional construída durante mais de 13 anos.


Fica a reflexão: no fim, as pessoas farão sempre o que for melhor pra elas.


Mais uma vez, flexibilidade e resiliência serão chaves para a consistência dos planos.


Sobre a vida nômade, já estou apaixonado pelo local atual e é uma forte candidata a ser a cidade para pendurar as chuteiras quando o nomadismo encher o saco. Infelizmente, pelo recentes acontecimentos profissionais, acabei não tendo tempo nem cabeça para postar sequer as impressões dos dois lugares já visitados, mas espero conseguir fazer isso. Fato é que ire priorizar posts sobre estilo de vida e vida pós-RE do que impressões turísticas ou habitacionais.


Às vésperas de fechar o primeiro mês cheio sem trabalho em tempo integral, a renda passiva imediata (dividendos de FIIs e ações que caíram na conta) ficou 30% abaixo do gasto mensal, todavia, tenho cerca de 1/3 do patrimônio investido nestes ativos. Como pretendo, ainda em 2021, chegar a 50% do patrimônio nestas classes de ativos, sem dúvidas será possível executar o plano. Outro ponto a observar é que estou no Sudeste e, mesmo em cidades menores, o custo de vida é bem superior às outras regiões do Brasil, portanto, a tendência será baixar a despesa mensal.


Obs: pretendo rodar por todo o BR, exceto região Norte, ao longo de 2021/2022. Caso tenha interesse num encontro FIRE (não-romântico, só pra não haver dúvidas), mande um e-mail para aposentecedo (gmail.com) e quem sabe não tomamos um café/cerveja/vinho em breve?


Abraço

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Ter filhos não é obrigação

 


Ter filhos dá um trabalho danado. São muitas noites mal dormidas, preocupações com alimentação adequada, vacinas, estímulos ao desenvolvimento, saúde no geral, entretenimento ininterrupto (até aprenderem a brincar sozinhos), diminuição de intimidade do casal, oitiva de palpites das avós/tias/gente que teve filho antes. Ter filhos é muito bom, mas é pra quem quer assumir RESPONSABILIDADES.


Sempre falo que só existem duas coisas irreversíveis na vida: a morte e ter filhos. Casamentos podem ser desfeitos, empregos trocados, imóveis vendidos, até membros do corpo substituídos por próteses. Você não tem como se desfazer de filhos e a tendência natural é que os acompanhe até sua própria morte.


Sempre quis ter filhos e me preparei para isso em diversos sentidos. Apesar de nunca estarmos 100% prontos, o tempo vai ajudando a enxergar o grau da responsabilidade que eles imputam aos pais.


Eu sou um grande privilegiado: desde antes da concepção, já passo quase a totalidade do tempo próximo a meu filho. Adepto do home office em tempo integral há pouco mais de 4 anos, conto nos dedos das mãos o número de vezes que fiquei mais de 24h sem estar fisicamente perto, seja por trabalho ou por outras questões familiares.


Minha esposa não trabalha desde pouco antes da gravidez e ela pode afirmar que nunca passou 24h distante da prole.


Sem babá ou familiar perto para dar uma folga ao trabalho de pais, sentimos o peso da responsabilidade da criação. É um grande prazer e privilégio estarmos sempre todos juntos, porém não é fácil.


Procriar foi uma escolha consciente e, apesar de ser bem mais difícil que o imaginado, foi uma opção excelente, mas não é para todos.


Acho extremamente evoluído quem simplesmente afirma: não quero ter filhos.


Havia e ainda há uma pressão social (e religiosa, mas não vou entrar no tema) absurda em procriar. Lembro de minha mãe se referindo a qualquer mulher que não tinha filhos ou afirmava não querer ter que era “possivelmente mal amada”. A pressão vem dos amigos, perguntando quando vão fabricar amiguinhos para brincar com os filhos deles, vem da família, perguntando quando você dará netos/sobrinhos.


Filhos são uma dádiva, recomendo para quem quer ter, mas, quem não quer, não recomendo. A vida dá sim para ser completa e feliz mesmo sem tê-los. Menos renúncias precisarão ser feitas, mais liberdade – em muitos sentidos – você terá.


Essa breve reflexão é porque conheço muitas pessoas vivendo no piloto automático, o que inclui ter filhos em um momento pré-determinado.


Tive uma namorada que parecia ter a vida definida desde os 15 anos de idade: fazer vestibular, entrar numa universidade pública, fazer mestrado, doutorado, casar, se consolidar na carreira, ter filho, aguardar X anos, ter outro filho… A conheci próximo de formar e acompanhei até o final do mestrado, quando nossas vidas deixaram de sincronizar. Há um tempo ela terminou o doutorado, casou e sua carreira parece estar indo muito bem. Há pouco soube que ela está grávida. Tudo conforme o planejado há décadas.


Tenho amigos que seguiram caminho semelhante. Cumpriram suas promessas próprias de “curtir a vida” até os 30 anos, pelo menos.

Um deles deixou de casar com uma namorada que até hoje fala que era o amor da vida porque era muito novo. Casou com uma namorada de pouco mais de um ano porque tinha “chegado a idade de casar”.


Outro teve um casamento de cinema, daquele sonhado há tempos, com a esposa que não quer ter filhos, mas ele quer e disse que “a hora chegou” – a esposa segue sem querer ter filhos, porém ele confia que “nela despertará o instinto materno depois que o filho nascer”.


Outro, depois dos passos A, B, C (formar, fazer pós, passar num concurso, casar), adotou um cachorro como “prévia” do filho que pretende fabricar em breve. O cachorro (filhotinho) roía móveis e fazia xixi fora do local adequado, algo absolutamente normal e esperado de um filhote em um ambiente novo. Em menos de um mês o camarada colocou o doguinho de novo para a adoção e felizmente o peludo arrumou um novo lar. Em conversa recente, esse amigo disse que esse ano pretende procriar.


Outro parece que nunca deixou de estar solteiro, se é que me entendem, apesar de estar casado há mais de 5 anos, mas que “irá sossegar depois que o boneco chegar”.


Com todos eles tenho intimidade suficiente para ter tido uma conversa nos termos acima: “Cara, você não precisa ter filho. Seja feliz aí, cuidando da sua vida, com sua(s) mulher(es), seu trabalho que te consome. Ter filho pra ver no final de semana e só pegar a parte boa não faz muito sentido. Ignore essa pressão dos ‘futuros vovôs’, tá na cara que sua vida tá legal pra caramba assim”. Deixei todos reflexivos, todavia creio que seguirão seus pilotos automáticos.


Fica aqui a reflexão para os leitores que ainda não são papais ou mamães: pensem e repensem se querem ser. É bom demais, só reflitam bem se realmente é o que vocês querem ou se é o que querem pra vocês.


Abraço

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Entediado

 

Lembro que dos 12 aos 15 anos eu sofria um tédio crônico. Tinha muitos amigos, praticava esportes e outras atividades, mas, mesmo assim, habitualmente ficava entediado. Numa época em que TV a cabo não era tão popular, internet discada (e cara) limitava muito seu uso, não havia smartphones, streamings, tablets, etc, era um pouco mais fácil ficar entediado.


Havia uma pequena biblioteca pública a 20 metros de onde morava, onde passei a frequentar tanto para leitura local, quanto para pegar livros e levar para casa. Esta época muito me ajudou para desenvolvimento pessoal.


Recordo-me que, por vezes, pegava uns 40 a 50 minutos de ônibus num calor danado só para ir até o comércio do meu pai ficar “ajudando” – fazendo nada em silêncio, comendo paçoca ou raramente ajudando em alguma tarefa manual que um adolescente poderia fazer com pouco risco de falha.


Tudo só para passar o tédio.


A grande pergunta que muitos entusiastas FIRE deixam de fazer (ou fazem e não sabem a resposta) é: o que farei após me aposentar?


Há quem ache que uma vida de viagem por tempo indeterminado seja uma boa saída (eu acho, pelo menos é o que estou tentando!); outros ocuparão o tempo com outras formas de trabalho, voluntárias ou remuneradas, outros ficarão 100% encarregados da família, outros farão todas as opções anteriores e muito mais.


Muito se tem falado ultimamente sobre propósito. Que precisamos de propósito para viver, desafios a cumprir, objetivos a atingir. Sem propósito, estaríamos à deriva; acabaríamos entediados e insatisfeitos após tanta luta para alcançarmos uma aposentadoria precoce.


Crescente vem sendo críticas ao movimento FIRE, natural devido ao crescimento da popularidade do mesmo, assim como venho observando alguns blogueiros FIRE mudarem radicalmente de opinião, o que não é um problema. A parte da IF nunca deixará de ter relevância na vida, já que, após obtê-la, é necessário um mínimo de estudo e acompanhamento para mantê-la, além da cordialidade em replicar na internet suas estratégias para tanto. A parte RE é absolutamente reversível, porém. Aqui falo de quem JÁ ERA APOSENTADO e mudou de ideia, não de quem está na jornada e desistiu.


Na blogosfera nacional, tivemos há alguns meses o exemplo do blog do Corey, que simplesmente mandou o conceito FIRE pras cucuias e encerrou o blog. Não sei o que houve depois.


Descobri um post bacana e bem realista do Finumus, um blogueiro inglês que, após 4 anos de aposentadoria precoce, voltou a trabalhar full time. O post completo você encontra aqui, mas, resumindo, a esposa dele seguiu trabalhando e ele virou um dono de casa – o que não é problema algum. Os filhos dele, ótima forma de usar o tempo livre, cresceram e estão na fase (provavelmente pré-adolescência) em que acham a coisa mais chata do mundo passar tempo com o pai. A casa dele está brilhando e não há nada mais para fazer de melhorias após esses 4 anos. Apesar de, por tudo que já li no blog, ele ter se aposentado Fat Fire, mantém uma TSR de 1,5% e, creio que somando o trabalho da esposa e o calendário escolar dos filhos, não consiga sair muito da rotina do próprio lar.


Sentindo falta do burburinho do trabalho e vendo seus ex-colegas de faculdade e trabalho dando entrevistas, esbanjando status, etc (ele formou em uma faculdade em que 90% saem-se muito bem-sucedidos), passou a sentir falta disso tudo. No início da pandemia recebeu de um deles uma oferta de emprego para ganhar menos do que ganhava quando tinha 20 e poucos anos. Topou. O trabalho é remoto, mas fixo (de 9 às 17h). Tudo para sair do tédio que estava.


Quatro anos é um bom tempo para refletir como se quer viver a vida e, principalmente, para mudar e transformar a mentalidade. Fico feliz que esse camarada tenha encontrado satisfação voltando a trabalhar.


Estou sempre buscando contrapontos a meus pensamentos, não só viés de confirmação. Demorei muito para assim pensar e descobrir que é a melhor forma de engrandecer. Não prego (e acho que a grande maioria dos blogueiros FIRE também não) que aposentar cedo seja o melhor caminho à felicidade, que voltar a trabalhar seja um erro, que quem pensa diferente é inferior. Simplesmente foi a rota que escolhi, após muita reflexão, e assim vivo feliz.


Não, não estou entediado e nem consigo ver esse cenário no curto prazo. O título do post é sobre o tema abordado, não meu sentimento atual.


Pode ser que, após 4 anos, como o colega inglês, eu mude de ideia e volte a trabalhar em tempo integral. Pode ser que isso ocorra após 2, 4, 10 ou 30 anos. Ainda estarei em idade produtiva, acredito. Pode ser que nunca ocorra.


Atribuída à Kant: “O sábio pode mudar de opinião; o idiota, nunca.


Abraço